Alexandre Nardoni deixa cela e muda para ala do regime semiaberto

Condenado a 30 anos de prisão pela morte da filha Isabella, Alexandre Nardoni passou a primeira noite na ala do regime semiaberto, após ter o benefício concedido pela Vara de Execuções Criminais (VEC) de Taubaté. No regime mais brando, ele deixou a cela e passa a cumprir pena em um alojamento coletivo.

Ele é interno da penitenciária Doutor José Augusto César Salgado, a P2 de Tremembé, desde 2008. A unidade é conhecida por abrigar presos de casos de grande repercussão. Cristian Cravinhos, condenado pela morte dos pais de Suzane Richthofen, e Lindenberg Fernandes, que matou a namorada Eloá, cumprem pena no local.

Nardoni foi para a ala na quarta-feira (1º), dois dias depois da decisão da juíza Sueli Zeraik. O Ministério Público informou que vai recorrer.

O pavilhão onde o detento está agora é um galpão com beliches, onde todas os presos permanecem juntos.

‘Saidinha’

A maior mudança no semiaberto é que Nardoni passa a ter direito às saídas temporárias, que somam 35 dias por ano fora da prisão. Ele também pode trabalhar fora da unidade e retornar à noite.

Na nova ala, conforme previsto na lei de execuções penais, Alexandre vai cumprir um prazo de 30 dias para ser autorizado a deixar a penitenciária pela primeira vez. Por isso, ele não terá o benefício no dia 7 de maio, o Dia das Mães.

A primeira saída dele está prevista para o Dia dos Pais. Também deve ser a primeira vez que ele e a esposa deixam a prisão juntos. Anna Carolina Jatobá, madrasta de Isabella e também condenada pelo crime, tem direito às saídas temporárias desde 2017.

02/05/2019